20°C 35°C
Cuiabá, MT

Edna denuncia manobra para livrar Emanuel de cassação

Segundo a parlamentar, falhas no rito da comissão processante visam beneficiar prefeito e vereadores da base governista.

30/04/2024 às 15h28
Por: Redação Fonte: Gazeta Digital
Compartilhe:
Edna denuncia manobra para livrar Emanuel de cassação

 Vereadora Edna Sampaio (PT) apresentou um requerimento para abandonar a Comissão Processante instaurada contra o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), na Câmara Municipal de Cuiabá. A parlamentar alega que os trabalhos estão sendo conduzidos de forma ilegal e discorda do apoio jurídico recebido do próprio Legislativo, que, segundo ela, é influenciada por aliados do gestor.

“A comissão marca reunião com os prazos esgotados para dar o parecer sem fundamentação na defesa do prefeito, eu peço vista, apresento um documento com a fundamentação enfrentando cada questão que foi apresentada e a comissão não aceita? Preferem enviar para a defesa um documento sem fundamentação jurídica e o prefeito reage questionando justamente aquilo que poderia ser evitado. [Não dá para concordar com isso]”, disse nesta terça-feira (30).


“Ela está há 4 reuniões ordinárias de trabalho e não aparece em nenhuma. Apenas apresenta justificativas dizendo que não pode estar presente por motivos de saúde, sem nenhum atestado médico”, disse.


Comissão Processante
A comissão foi instaurada no dia 12 de março, após Emanuel ser acusado de chefiar uma organização criminosa na Saúde de Cuiabá. Na ocasião, Edna e os vereadores Wilson Kero Kero (Podemos) e Rogério Varanda (PSDB) foram sorteados para compor o grupo de investigação.


Nas últimas semanas, o núcleo chegou a enfrentar alguns contratempos em relação à lista de defesa apresentada pelo chefe do Executivo. Isso porque, 10 depoentes foram inseridos no processo sem a devida inscrição de endereços, o que dificultou a notificação das testemunhas.

Após as informações serem corrigidas, as próximas oitivas devem ocorrer na sexta-feira (3).

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários